Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

A falta de informação e a irresponsabilidade dos pais podem comprometer a saúde

Data: / 103 views
A falta de informação e a irresponsabilidade dos pais podem comprometer a saúde

Grupos que pregam contra os imunizantes e a falta de informação até entre profissionais da saúde são fatores que trazem de volta ao País doenças que haviam desaparecido, como o sarampo, e o risco da poliomielite. É preciso impedir esse inaceitável retrocesso na saúde pública

Até quarta-feira 18, o Brasil registrou 677 casos de sarampo. A doença costuma ser encarada como algo leve, típica da infância, sem maiores consequências e, desta forma, aceitável. Está errado pensar assim. A volta dos casos ao País representa uma derrota no âmbito da saúde pública. A enfermidade estava erradicada aqui desde 2016, graças a uma política de vacinação bem-sucedida que até então havia garantido a proteção de crianças e adultos contra o vírus responsável pela doença. Somada à informação de que 312 cidades brasileiras — 44 em São Paulo, o estado mais rico da nação — encontram-se sob risco para o aparecimento de casos de poliomielite, a situação traça um panorama preocupante. A polio está erradicada no Brasil desde 1990 e, assim como o sarampo, é prevenível por vacina. Ambos os imunizantes estão disponíveis gratuitamente na rede pública de saúde e apresentam riscos baixíssimos de causarem efeitos colaterais mais sérios. Não é admissível, portanto, que o Brasil depare-se agora com a ameaça de ver a volta de doenças contra as quais a medicina obteve uma de suas principais vitórias. Foi em 1796 que o médico inglês Edward Jenner descobriu que inocular pessoas com o conteúdo tirado de pústulas de varíola assegurava imunização contra o vírus causador da enfermidade que, àquela altura, matava milhares de pessoas. Desde então, as vacinas servem para impedir que males assim dizimem populações.

PROTEGIDA Júlia Goretti leva a filha, Luiza, para receber as doses necessárias (Crédito: Marco Ankosqui)

 

No entanto, desde 2011 observa-se no Brasil a queda na cobertura vacinal relativa a várias enfermidades. Naquele ano, o índice de crianças vacinadas com a tríplice viral, que imuniza contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, alcançou 100%. Em 2017, parou nos 83%. Neste ano, há um esforço de vacinação em Roraima, numa tentativa de evitar a disseminação do vírus trazido com a chegada maciça de crianças venezuelanas infectadas. A cobertura relativa à polio também era total no início da década. No ano passado, ficou em 77%. Em 15% das cidades da Bahia, menos da metade das crianças foi vacinada. Ao todo, 800 mil crianças estão vulneráveis à infecção.

O País patina ainda na prevenção de doenças como a febre amarela e a gripe, as duas também evitadas por meio de vacinas. A forma urbana da febre amarela está erradicada desde 1942, mas os casos silvestres (em áreas de matas) avançaram nos últimos anos. Entre julho de 2017 e maio de 2018, foram 1.266 pessoas atingidas, com 415 óbitos. No início do ano, com a explosão do surto no Sudeste, o pânico tomou conta da população e postos de saúde foram invadidos por pessoas desesperadas pela vacina. Semanas depois, a notícia de mortes por causa de reações ao imunizante fez com que o medo se instalasse, desta vez ao contrário. Mesmo pessoas que precisariam ser imunizadas por viver em áreas de risco pararam de buscar a proteção. O resultado é que, hoje, a cobertura vacinal de febre amarela mal passa da metade, com índice de 52,45%.

Quanto à gripe, o Ministério da Saúde conseguiu atingir, na semana passada, cobertura para 90% do grupo prioritário, formado por pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, mães até 45 dias após o parto, detentos e funcionários do sistema prisional. Porém, entre as grávidas e os com menos de cinco anos, a cobertura foi de 77% e 76%, respectivamente. Os estados com menores taxas de vacinação foram Roraima (67%) e Rio de Janeiro (77%) . Enquanto isso, o total de óbitos subiu de 285, no ano passado, para 839 em 2018.

“O Estado precisa assumir seu papel de gestor e a população entender a importância da vacinação” Carla Domingues, epidemiologista (Crédito:Mateus Bonomi/Futura Pr)

A falta de adesão da população em relação às vacinas no Brasil não pode ser explicada por um viés somente. Há a combinação de obstáculos que envolvem basicamente dificuldade de acesso, falta de senso de responsabilidade individual e muita desinformação. Em referência ao primeiro ponto, é fato que os imunizantes estão disponíveis nos postos de saúde, mas em grande parte das cidades eles funcionam em horário comercial, quando pais e responsáveis estão no trabalho e, as crianças, na escola. O ideal seria ter horários maleáveis.

Porém, é preciso que cada um dos adultos cumpra a sua parte como responsável pelo cuidado com as crianças e as levem para serem vacinadas, respeitando o calendário vacinal. Assim como o casal Vagner Rubini e Suhianh Kill, em São Paulo, com os filhos Lorena e Nicoli. “Cumprimos as datas”, dizem. E também os pais de Anne Carolinne, de sete meses. “Obedecemos as orientações do pediatra”, diz Sirlene Tamaki, ao lado do marido, Rodrigo.

CONTENÇÃO Em Roraima, crianças venezuelanas recebem cuidados médicos para não se infectarem pelo sarampo (Crédito:Nacho Doce)

Erro de avaliação

O combate à desinformação exige esforços extras. Há três grandes desafios neste sentido. É um paradoxo, mas o controle das doenças por meio das vacinas alcançado nas últimas décadas levou à sensação de que as enfermidades não representam mais ameaça. “O fato de as doenças terem desaparecido fez com que muita gente ache que a vacina é desnecessária”, afirma a epidemiologista Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações. Pensar assim é um equívoco que pode fazer com que as enfermidades readquiram força de transmissão. A mesma percepção é observada entre profissionais de saúde. Muitos nunca viram vítimas de poliomielite ou com sarampo porque cresceram em tempos nos quais elas não ocorriam. Por isso, não estão alertas quanto à sua prevenção.

DOSES EM DIA Anne Caroline com os pais Sirlene e Rodrigo Tamaki: eles seguem a orientação do pediatra (Crédito:Marco Ankosqui)

 

Também enfrenta-se a praga das notícias falsas. Elas se propagam pelas redes sociais e têm impacto impressionante em quem as lê. Durante o surto de febre amarela do início do ano os estragos foram estarrecedores, tanto para espalhar o pânico que levou à invasão de postos quanto para afastar a população das doses. Primeiro, correntes incitavam todos a exigir a vacina, quando se sabe que há casos nos quais ela é contraindicada (transplantados e pacientes em quimioterapia, por exemplo). Depois, com a profusão de informações infundadas de que o imunizante faz mais mal do que bem. Como toda medicação, as vacinas apresentam efeitos adversos, mas em sua maioria em escala muito menor do que o benefício que produzem (leia quadro)

Esses dois fatores funcionam como combustível para fortalecer o movimento antivacinação, formado por pessoas que se dedicam a transmitir dados falsos sobre os imunizantes — entre elas até profissionais de saúde que se recusam a aceitar a ciência de qualidade — e que se negam a levar os filhos a serem protegidos. É um fenômeno mundial e que está por trás, inclusive, do crescimento do número de casos de sarampo observado na Europa em 2017. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o total de infectados no continente cresceu 300%, atingindo mais de 21 mil pessoas, com 35 mortes. Em 2016, foram 5.273 casos.

 

Os ativistas fazem barulho nas redes sociais, onde proliferam tolices como a ideia de que os imunizantes são ineficazes ou que apresentam risco maior do que os benefícios. É mentira. Assim como também é falsa a tese de que a vacina tríplice viral (imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola) está associada ao autismo. Em 1998, um trabalho realizado por Andrew Wakefield sugeriu o vínculo, mas ficou provado que ele não existe. O autor, inclusive, foi condenado por fraude. A pesquisa foi retirada da literatura científica.

Tolices na rede

Nada do que diz quem condena as vacinas tem embasamento científico. Tampouco cada um deles traz indícios de consistência intelectual que os avalize a falar do assunto. Uma atitude registrada durante o levantamento de informações para esta reportagem deixa claro de como agem os integrantes do movimento. Gerusa Monzo, mãe de dois filhos, e militante antivacina nas redes sociais, foi procurada por ISTOÉ. Ela perguntou quanto seria o valor do cachê que a revista pagaria pela entrevista. Ao ser indagada quanto cobraria, respondeu: “O mínimo de R$ 3 mil. Por menos do que isso não tenho nenhum interesse.” O que Gerusa e outros indivíduos como ela fazem é uma irresponsabilidade para com seus filhos, em primeiro lugar. Tanto que a ação está passível de punição segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente. Na semana passada, o Ministério Público do Rio Grande do Sul anunciou que agirá contra os pais que não imunizarem as crianças. As denúncias serão apuradas e, se confirmadas, os responsáveis serão notificados e o órgão dará um prazo de quinze dias para a vacinação. Caso não seja feita, o MP poderá aplicar multa de três a vinte salários mínimos e adotar medidas como busca e apreensão do menor. Ele será levado ao posto de vacinação e os pais responderão a processo.

Há uma ameaça também à coletividade. Quando se deixa de vacinar uma criança, outra, eventualmente ainda não protegida, é colocada em risco. E toda a sociedade também, jogando por terra uma das principais conquistas da ciência para a humanidade. A saúde de todos é ameaçada.

“Não tenham filhos se não querem vaciná-los. Eles não merecem sofrer nas mãos de quem acha que está certo” Xuxa Meneghel, apresentadora (Crédito:Aline Massuca)

 

Por essas razões impedir o avanço das informações contra as vacinas é urgente. “As pessoas que são contra a imunização fazem mal para si e para os outros”, afirma a advogada Julia Goretti, mãe de Luiza, devidamente vacinada. O mesmo pensamento é defendido pela apresentadora Xuxa, chamada para ser a madrinha da campanha de vacinação deste ano, antecipada de setembro para agosto. Não é a primeira vez que ela participa da chamada geral para necessidade de imunizar os pequenos. “Fui convidada para fazer a campanha contra a paralisia infantil nos anos 90 e pude fazer parte da conquista que foi vacinar 94% das crianças”, disse. “Não sei como ainda temos que fazer campanhas para lembrar os responsáveis que precisamos cuidar dos nossos filhos vacinando-os. Simplesmente é inadmissível termos que lembrar um responsável que não seja irresponsável. Que vacinar é cuidar.” Xuxa critica os integrantes dos grupos anti-vacina. “Não tenham filhos se não querem vaciná-los. Eles não merecem sofrer na mão de gente que acha que está certo.” Apesar da redução progressiva da cobertura vacinal, o País ainda não atingiu um ponto sem volta rumo ao retrocesso nesta área. “É um panorama sombrio, mas contornável”, diz a médica Isabela Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações. Para enfrentá-lo, é necessário compreender que se trata de uma questão de Estado, e não de governo, e que a situação é complexa. Todos têm responsabilidade, de autoridades públicas aos pais, de profissionais de saúde aos que transmitem informações por redes sociais. “Sem esse entendimento, vamos sucumbir. O Estado precisa assumir seu papel de gestor e a população entender a importância da sua participação”, diz a epidemiologista Carla Domingues.

Revolta contra a vacina

Entre 10 a 16 de novembro de 1904, a população do Rio de Janeiro se rebelou. O povo não queria ser obrigado a se vacinar contra a varíola, como havia sido determinado pelo governo do estado diante da epidemia da doença que tomava conta da cidade. O argumento, calcado na falta de informação registrada à época, era o de que o remédio, feito a partir de fragmentos do vírus, levaria ao desenvolvimento da doença. Amparados pela lei, equipes sanitaristas entravam nas casas das pessoas e as vacinavam à força. Civis montaram barricadas e o confronto entre a população e a polícia se deu nas ruas.

- ISTO É - Cilene Pereira - Colaborou Fernando Lavieri - 

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados