Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Casal autorizado a plantar maconha no Rio celebra redução de epilepsia do filho

Data: / 222 views
Casal autorizado a plantar maconha no Rio celebra redução de epilepsia do filho

Canabidiol é utilizado no tratamento da doença. Família é o terceiro caso no Estado do Rio de habeas corpus preventivo concedido pela Justiça para o plantio

A esperança do taxista Alexandre Meirelles e da dona de casa Maria de Fátima Pereira de Araújo está próxima, no chão de ardósia da casa que dividem em um bairro da Zona Norte da cidade. Os seis pés de Cannabis sativa serão utilizados na produção do Canabidiol, medicamento usado no combate a epilepsia – distúrbio que acomete o filho do casal, Gabriel, de 14 anos. É só uma questão das flores, com as quais o óleo é feito, desabrocharem. A família, uma das três em território fluminense autorizada da Justiça para cultivar a erva, celebra os bons resultados.

"Os efeitos do Canabidiol são impressionantes. O Gabriel tinha, em média, 30 crises por mês. Depois de iniciar o consumo do remédio, esse número caiu pela metade. Além disso, ele passou a ficar muito mais calmo, mais focado. Tomamos essa decisão porque a importação do remédio é complicada, cheia de burocracia, e o preço final aqui no Brasil é caro demais. Dois frascos de 60 mililitros custam quase R$ 3 mil. Não temos dinheiro para isso. E essa quantidade não é o suficiente nem para um mês. Tentamos uma série de outras alternativas para tratar nosso filho, mas o Cannabidiol foi a melhor alternativa", afirmou Fátima.

Ela e Alexandre – que dizem nunca ter usado maconha – entraram na Justiça pedindo que o Governo do Estado fornecesse o remédio de forma gratuita, o que não aconteceu. Diante da situação, entraram com novo processo, pedindo um habeas corpus preventivo para que eles mesmos pudessem plantar os pés de maconha e, a partir deles, produzir o Canabidiol. Desta vez, a decisão judicial foi favorável.

"Concedo salvo-conduto em favor dos pacientes a fim de que as autoridades encarregadas, Polícia Civil e/ou Polícia Militar, sejam impedidas de proceder à detenção dos pacientes pela produção artesanal de Cannabis sativa para fins medicinais, vedando-se, ainda, a apreensão das plantas em questão, cultivadas para fins de tratamento do paciente Gabriel Meirelles de Araújo", determinou a decisão da juíza Cláudia Bartholo Suassuna, proferida em 26 de novembro de 2016.

Foi o momento mais importante de uma batalha que começou quase seis anos antes.

Era dia 26 de dezembro de 2010. Gabriel, então com oito anos de idade, ainda estava eufórico por conta do presente de Natal que, 48 horas antes, recebera dos pais – uma bicicleta. Havia passado o dia anterior se divertindo com os amigos, pedalando em inúmeras idas e voltas sobre o chão da vila onde fica a casa dos pais. Apesar da felicidade, naquela data, uma febre súbita, persistente e muito elevada o atingiu.

Assustados, Alexandre e Fátima decidiram levar o filho a um hospital. O médico o examinaria, receitaria um remédio e o liberaria em seguida. Não foi o que aconteceu – o menino sairia da unidade médica apenas dois meses e 15 dias depois de um coma induzido. No laudo, duas constatações: encefalite bacteriana – possivelmente contraída por conta de uma inflamação na garganta - e epilepsia refratária bitemporal.

"Ele saiu do coma e voltamos para casa, mas as crises começaram a ocorrer de forma constante. As mudanças de humor eram muito súbitas. Em um instante, ele estava bem. Logo em seguida, tinha convulsões e ficava muito agressivo. Uma vez, o Gabriel quebrou o vidro de uma janela aqui de casa com um soco. Além disso, a noção da realidade se perdeu. Por exemplo: se ele olha pela janela, vê um prédio e decide ir até lá, ele não descerá as escadas e caminhará pela rua até chegar ao edifício. Não. Como não possui mais noção do que é real e correto, ele não pensará duas vezes em se jogar pela janela. Temos que vigiá-lo o tempo todo ", explicou Alexandre.

A situação piorou em pouco tempo: Fátima, que trabalhava no setor financeiro de uma empresa petrolífera, foi demitida. Alexandre perdeu o emprego de professor de Educação Física em uma escola técnica onde trabalhou por mais de 20 anos. Com o dinheiro da rescisão, comprou um táxi e passou a viver das corridas diárias. Fátima decidiu ficar em casa para se dedicar de forma exclusiva aos cuidados de Gabriel. A renda familiar caiu em razão inversa aos gastos crescentes com as necessidades apresentadas pelo filho.

Casal autorizado a plantar maconha no Rio celebra redução de epilepsia do filho
 

"Além dos medicamentos, pagamos psiquiatra e terapia ocupacional . A alimentação dele também é controlada, o Gabriel tem que se alimentar dentro de uma dieta de baixo índice glicêmico. Quando soubemos do Canabidiol, ficamos animados mas, como disse, o custo é muito elevado. Por isso, essa decisão judicial foi um presente dos céus. Agora poderemos, nós mesmos, produzir o óleo e continuar ajudando nosso filho", explicou Fátima.

Desde 2014, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem autorizando a importação do Canabidiol após análise de cada caso. Ainda assim, o processo é demorado e o preço do produto importado – na maioria das vezes produzido nos Estados Unidos - torna seu consumo proibitivo para boa parte dos pacientes que necessitam dele.

"A Constituição é clara: a saúde é um dever do Estado e um direito do cidadão. Se o Estado não garante o remédio, não pode impedir que um casal de cidadãos se mobilize para garantir a saúde do filho. Trata-se da legítima defesa de uma vida e nenhum direito é mais importante que esse", avaliou o advogado Ricardo Nemer Silva, da Abra Cannabis - associação dedicada à inclusão social de pessoas que utilizam a maconha para fins medicinais.

"Nós lutamos pela saúde de nosso filho. Não há nada mais importante que ele. E sabemos que, no fim, essa luta vai ter valido não apenas para ele, mas para todos que dependem desse tipo de medicação", finalizou Alexandre. (G1)

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados