Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Citada em delação da JBS, Patricia Abravanel recorre à Bíblia

Data: / 401 views
Citada em delação da JBS, Patricia Abravanel recorre à Bíblia

'Toda arma forjada contra ti não prosperará', diz post da apresentadora, que esteve em jantar pautado por propina

Mencionada na delação premiada de Ricardo Saud, executivo da J&F Investimentos, holding proprietária da JBS, que está colaborando com a Polícia Federal, a apresentadora Patricia Abravanel fez uma citação à Bíblia nas redes sociais. “Toda arma forjada contra ti não prosperará; toda língua que ousar contra ti em juízo, tu a condenarás”, diz trecho do versículo 17 de Isaías, que ela fotografou e publicou no Instagram.

Segundo Saud, Patricia participou de um jantar na casa de Joesley Batista, sócio da J&F Investimentos, ao lado do então noivo, o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), com quem se casou no mês passado. Nesse jantar, teria sido negociada propina para a campanha de Robinson Faria (PSD-RN), sogro da apresentadora, que foi eleito governador do Rio Grande do Norte em 2014.

“Foi um jantar muito elegante até. Foi o Fábio Faria com a noiva dele, a Patrícia Abravanel, filha do Silvio Santos. Foi o Robinson Faria com a esposa dele, nós todos com as esposas, tal, para tratar de propina. Até bacana, né? Todo mundo com as esposas para tratar de propina”, disse Saud, em tom irônico.

A JBS irrigou com mais de 500 milhões de reais em propina uma rede de mais de mil políticos, conforme revelam as delações.

Em abril, Patrícia Abravanel já havia sido criticada nas redes sociais quando Fábio Faria apareceu na lista de pedidos de inquérito do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal).

Pelo Facebook, Robinson Faria publicou uma nota em que afirma que toda doação recebida da JBS, por ele e pelo filho, foi feita de maneira legal e oficial. “Robinson e Fábio Faria consideram absurdas as declarações do delator que chama de propina contribuições eleitorais lícitas, com o claro objetivo de se livrar de crimes graves praticados”, diz o texto.

- VEJA.com - Da redação- 22 maio 2017, 10h21 - Atualizado em 22 maio 2017, 12h13

 

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados