Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Como sua vida vai piorar se a Previdência ficar sem reforma

Data: / 193 views
Como sua vida vai piorar se a Previdência ficar sem reforma

Governo economizará R$ 331 bilhões até 2025 se a proposta atual de reforma da Previdência for aprovada neste ano

>> Trecho da reportagem de capa de ÉPOCA desta semana

O governo brasileiro encerra 2017 torrando dinheiro como se fosse o fim dos tempos. Gasta como um novo-rico sem noção, destinado a cair na pobreza. Essa trajetória resulta de muitos fatores e decisões ruins acumuladas ao longo de vários governos, mas uma distorção evidente a aumentar o problema é quanto o país gasta com aposentadorias e benefícios. Hoje, esses tópicos deixam apenas 43% do gasto público para outras áreas. Sem uma reforma da Previdência, até 2026 eles continuarão a devorar parcela maior da despesa pública, até deixarem apenas 20% para todo o resto, pela projeção do Ministério da Fazenda. O economista brasileiro Otaviano Canuto, diretor executivo no Banco Mundial, acompanha de perto as contas de vários países latino-americanos e chega ao mesmo diagnóstico: o problema não se resolverá com remendos orçamentários. Quanto mais cedo a reforma for feita, melhor. Quanto mais for adiada, mais prejudicará o cidadão.

 

>> O governo está muito longe de conseguir os votos para a Reforma da Previdência

Capa home edição 1016 (Foto: Época)
O teto de gastos, que limita o crescimento das despesas do governo, pode ser descumprido já em 2019 se nada for feito até lá, prevê o Itaú Unibanco. “Já vemos o governo cortando investimento. E vai precisar reduzir todo o gasto. O exemplo dos passaportes (cuja produção foi interrompida por um mês neste ano) foi anedótico. Teremos problemas em outras áreas e a população vai sentir isso”, diz Nelson Marconi, professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EESP). O mecanismo do teto, que proíbe que o gasto avance em ritmo superior à inflação do ano anterior, foi a primeira vitória da equipe econômica chefiada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Mas, se a Previdência continuar a ocupar mais espaço no orçamento público, sacrificará outras áreas (a Previdência brasileira é muito mais custosa, em relação ao orçamento público e ao PIB, que a de países com perfil demográfico semelhante).
 
 
Os principais cortes deverão atingir investimentos, como em infraestrutura, e áreas com mais verba, como saúde e educação. Quem depende mais de serviços públicos sofrerá mais. “Voltará ao debate o fantasma do shutdown (paralisação) da máquina pública”, diz Marconi. O país pode sofrer o que já enfrentam estados superendividados, como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul: colapso da segurança pública, não pagamento de terceirizados em instituições de ensino superior e parcelamento de salários de funcionários públicos. E esse não será o único tipo de efeito a se abater sobre nós.
 
 
 
- Revista ÉPOCA - 
- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados