Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Especial Primeira Infância: Pais alegres, crianças muito bem-educadas

Data: / 289 views
Especial Primeira Infância: Pais alegres, crianças muito bem-educadas

As 23 lições que os dinamarqueses – considerados o povo mais feliz do mundo – têm a nos ensinar sobre a criação dos nossos filhos

Foto capa) Especial Primeira Infância: Pais alegres, crianças muito bem-educadas | Crédito: iStock

 

A população da Dinamarca, aquele pequenino país localizado no norte da Europa, tem sido eleita a mais feliz do mundo há mais de quatro décadas. Ou seja, lá se vão 40 anos de muita alegria. Sim, é bastante tempo! E, saiba, toda essa felicidade vem da maneira como os dinamarqueses são criados e, consequentemente, como passam esses ensinamentos para os seus herdeiros. Quer aprender com eles? Usando as iniciais da palavra “filhos”, vamos analisar – e propor a prática – de alguns dos métodos desse país:
 
F de farra
Enquanto na perspectiva dinamarquesa brincar é prioridade, por aqui há uma pressão para as crianças terem uma agenda abarrotada
de atividades, cursos e compromissos.
 
Coloque em prática:
 Desconecte
Desligue a TV e os aparelhos eletrônicos! A imaginação infantil é um ingrediente essencial.
 
 Permita a exploração
Leve a criançada para brincar na natureza o máximo possível. Procure encontrar áreas seguras, onde você não tenha medo de deixá-las livres.
 
 Idades diferentes?
Misture-as! Dessa forma, os pequenos aprendem tanto a protagonizar as brincadeiras quanto a cooperar com os mais velhos, participando e questionando.
 
 Não se sinta culpado
Crianças não precisam de brinquedos específicos ou de atividades comandadas por adultos. Quanto mais as deixar no comando,
usando a imaginação e fazendo tudo sozinhas, melhor elas brincarão.
 
 
I de integridade
Taí o primeiro passo para orientar os filhos a serem francos consigo mesmos e com os outros. A honestidade (e não a perfeição) é do que elas necessitam. Assim, poderão entender que não há problema em sentir todas as emoções possíveis, como raiva, alegria, frustração...
 
Coloque em prática:
 Pare de se enganar 
Olhe com sinceridade para a própria vida. Ser capaz de detectar e definir suas emoções é um marco.
 
 Responda com franqueza
Às dúvidas do seu filho, dê respostas sinceras e adequadas à idade e ao nível de compreensão dele.
 
 Use exemplos antigos
Crianças adoram ouvir sobre experiências de quando os pais eram pequenos. Assim, elas compreendem melhor quem vocês são e entendem que a situação em que se encontram é normal.
 
 Ensine honestidade
Todo mundo, em qualquer idade, tem dificuldade em dizer a verdade ou fazer uma confissão. Cabe a nós ensinar, sem dar lição de
moral, às crianças a ter a coragem de ser francos.
 
 Elogie o processo
Mantenha o foco no esforço e não nas qualidades inatas da criança. Diga: “Você revisou a matéria, fez anotações e resolveu os
exercícios. A estratégia deu muito certo!” Evite: “Você é muito inteligente”. Ao se concentrar na energia exigida, os pais
facilitam a compreensão de que a perseverança é mais importante do que o dom.
 
 
L de linguagem
Os dinamarqueses são otimistas realistas. Diferentemente dos otimistas exagerados, com vidas supostamente tão perfeitas que, às vezes, soam falsas. Os gringos filtram as informações e não enxergam as coisas só como boas ou ruins. Eles buscam encontrar
um meio-termo!
 
Coloque em prática:
 Nada de negatividade!
Saiba com que frequência recorre ao pessimismo no julgamento de uma situação e controle-se.
 
 Reenquadre-se
Experimente uma nova formulação das suas ideias. Pense na frase: “Minha sogra é chata”. Agora, reformule-a: “Adoro minha sogra, apesar das nossas diferenças. Ela é uma excelente avó”. Isso influencia no bem-estar.
 
 Aposte na linguagem de apoio
Faça perguntas que auxiliem seus filhos a identificar as emoções por trás dos atos. Ajude-os a notar as próprias intenções e as intenções alheias, de modo a aprender a sair de situações complicadas.
 
 
H de humanidade
Imaginar que alguém pode estar passando por dificuldades nos ajuda a ser mais compreensivos.
 
Coloque em prática:
 Critique menos
Você vai se surpreender ao notar com que frequência critica as pessoas e a diferença que faz se colocar no lugar delas.
 
 Seja um mediador
Ajude seu filho a enxergar as emoções dos outros e a vivenciar as próprias sem julgamentos. Diga: “Ela estava zangada? Por
quê? O que aconteceu? Tem algum palpite?” E não: “Ela não tem motivo para ficar zangada e não devia ter feito aquilo”.
 
 Leia!
Pesquisas mostram que ler para os filhos aumenta seu grau de empatia. É importante escolher livros que abarquem todo tipo de emoção, inclusive as negativas e desagradáveis.
 
 
O de (zero) opressão
Os dinamarqueses esperam que os filhos sejam respeitosos e ainda consideram o respeito uma via de mão dupla. Existe uma diferença entre ser firme e aterrorizar. Sua influência será mais positiva e seus relacionamentos mais próximos se você promover
um clima de gentileza e tranquilidade.
 
Coloque em prática:
 Não os culpe
Assuma a responsabilidade e procure agir diferente da próxima vez.
 
 Lembre-se sempre: a vida dá voltas
Gentileza gera gentileza. Maldade gera maldade. E calma gera calma.
 
 Analise suas falas
Ponha no papel todos os ultimatos que você costuma dar aos seus filhos. Agora, compare-os com aqueles que seus pais davam em você. O exercício: busque uma maneira de transformá-los.
 
 Considere a idade
Considere a idade dos seus filhos na hora de esperar algo deles. Crianças não são adultos pequenos. 
 
 Saiba o que tira você do sério
Descubra os “gatilhos” que fazem você explodir e como agir para não chegar a esse ponto. Analise se precisa de mais sono, de
descanso, de exercícios...
 
 
S de socialização
Para os gringos, divertir-se com os outros é um estilo de vida. Eles acendem velas, brincam com jogos de tabuleiro, tomam chá com bolo... Enfim, aproveitam a companhia uns dos outros sem conflitos.
 
Coloque em prática:
 Aproveite mais Para participar, todos têm que concordar em deixar de fora os fatores de estresse cotidiano. Não se prenda no pessimismo e evite se referir aos demais de maneira negativa. Mantenha-se bem-humorado e não julgue.
 
 Divirta-se!
Quando a família estiver junta, proponha jogos e brincadeiras das quais todos participem. Crie uma atmosfera aconchegante, com comidas e bebidas que prepararam juntos.
 
 Incentive a formação de equipes
Organize atividades em grupo para as crianças. Crie caças ao tesouro, construa um forte, monte um campeonato. Seja criativo.
 
- ANA MARIA - Ana Bardella
- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados