Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Jogando em Marília, Bauru perde para Sesc/RJ pela Superliga de Volei

Data: / 71 views
Jogando em Marília, Bauru perde para Sesc/RJ pela Superliga de Volei

Fora de casa, time de Bernardinho faz 3 sets a 1 no time da oposta que lidera a pontuação por sets da Superliga

O Sesc/Rio de Janeiro entrou em quadra na noite desta quarta-feira para enfrentar o Bauru e a maior pontuadora por sets da Superliga feminina de vôlei, a oposta Tifanny Abreu, a primeira jogadora trans a atuar na competição nacional. Mas nem mesmo a força do ataque de Tifanny, que lidera as estatísticas de média de pontos (211 em 39 sets), impediu as comandadas de Bernardinho de vencerem por 3 sets a 1 (25/18, 25/27, 25/23 e 25/18) em Marília, mantendo a perseguição ao líder Praia Clube.

A oposta Tifanny deixou a quadra como a principal pontuadora do Bauru, com 20 pontos, mesma pontuação da ponteira Drussyla, do Sesc/Rio, que ainda levou o Troféu Viva Vôlei. A diferença que pesou para as cariocas é que outras atletas ajudaram Drussyla, como Monique (19), Gabi (13) e Jucyele (12).

 
Rio de Janeiro conseguiu segurar o Bauru e vencer por 3 a 2 (Foto: Neide Carlos / Vôlei Bauru)Rio de Janeiro conseguiu segurar o Bauru e vencer por 3 a 1 (Foto: Neide Carlos / Vôlei Bauru)
 

Com o resultado e os três pontos pela vitória sem tie-break, o Rio de Janeiro foi a 52 pontos e assumiu provisoriamente a liderança, mas o Praia Clube, com 51, ainda joga na rodada. O Bauru segue com 25 pontos, na sétima colocação, agora ameaçado pelo Pinheiros, o oitavo colocado.

Pela nona rodada do returno, o Bauru volta a quadra no próximo dia 16 (sexta-feira), às 19h30, quando vai à Grande São Paulo para enfrentar o Barueri do técnico José Roberto Guimarães. No dia seguinte, sábado (17), às 15h, o Rio de Janeiro recebe o Minas

 

O jogo

O primeiro ponto do jogo, anotado pelo Bauru, sintetizou a expectativa que se criou diante do poderio ofensivo concentrado na oposta Tifanny: todo o bloqueio do Rio de Janeiro se concentrou na entrada de rede, onde atacava a oposta, e o ataque da ponteira cubana Palacio, pela saída, foi com a rede totalmente aberta.

Mas logo o time carioca mostrou por que é o vice-líder do nacional e começou a dominar o placar, só sendo incomodado quando o Bauru abriu 11 a 8. Mas o técnico Bernardinho parou o jogo e acertou seu time, principalmente no saque, que destruiu a recepção bauruense.

Sem a bola na mão, as levantadoras não conseguiram acionar sua principal atacante, que fez apenas três pontos, e o bloqueio carioca se sobressaiu, com a central Jucyele se destacando, com seis pontos anotados. O placar seguiu apertado até o 16º ponto, quando o Rio disparou para fechar o primeiro set em 25 a 18, em 24 minutos.

 
Rio de Janeiro teve certa dificuldade no interior paulista (Foto: Neide Carlos / Vôlei Bauru)Rio de Janeiro teve certa dificuldade no interior paulista (Foto: Neide Carlos / Vôlei Bauru)
 

No segundo set, o equilíbrio da parcial inicial se manteve, mas com o Rio de Janeiro sempre na frente do marcador, com a oposta Monique se destacando como a principal pontuadora. Tifanny melhorou na parcial, anotou nove pontos, e ajudou o Bauru a igualar o marcador em 11 a 11, obrigando Bernardinho a pedir tempo.

Porém, ao contrário da parcial anterior, o placar seguiu apertado até Bauru, num ataque poderoso de Tifanny, chegar o match point (25 a 24). Bernardinho parou o jogo de novo, mas num rally emocionante, com as cariocas defendendo dois ataques de Tifanny, a levantadora Juma fechou o segundo set para as bauruenses num bloqueio: 27 a 25, em 32 minutos.

No terceiro set, o equilíbrio seguiu, mas ao contrário do anterior, Bauru assumiu a ponta apostando no saque forçado, que entrou bem e prejudicou o ataque carioca. Com a passe quebrado nas mãos da levantadora Roberta, o bloqueio bauruense começou a aparecer. O Rio só passou à frente no marcador quando anotou 15 a 14 num ataque de Monique, mas a disputa seguiu ponto a ponto, até o Rio abrir 22 a 20, fazendo o técnico Fernando Bonatto para o jogo para tentar salvar a parcial. Não conseguiu, e, num bloqueio da ponteira Gabi, o Rio de Janeiro fechou o set em 25 a 23, 3m 27 minutos.

No quarto set, o Rio de Janeiro só se assustou quando Bauru abriu 3 a 0, mas Bernardinho recolocou suas comandadas na partida e o time assumiu o comando do placar especialmente com uma defesa consistente comandada pela líbero Fabi. Quando chegou a 15 a 9, Bonatto parou o jogo, mas as cariocas seguiram soberanas parcial, vencida com facilidade por 25 a 18, em 26 minutos.

- G1 Bauru e Marília - Por Sérgio Pais, Marília, SP

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados