Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Mãe de menina espancada e estuprada pede justiça após um ano da morte: 'Caso que não se resolve'

Data: / 197 views
Mãe de menina espancada e estuprada pede justiça após um ano da morte: 'Caso que não se resolve'

Adolescente foi apreendido e confessou o crime, mas a polícia investiga outros suspeitos envolvidos. Caso segue em investigação pela Delegacia de Defesa da Mulher de Ibitinga (SP), mas está em segredo de Justiça.

Nesta terça-feira (5) completou um ano do crime da morte da menina Geovana Maria de Oliveira, de 8 anos, que foi encontrada em uma casa em construção com ferimentos graves, depois de ter sido abusada sexualmente, em Ibitinga (SP).

A família ainda espera por justiça. “É muito triste, revoltante, é um caso que não se resolve”, cobra a mãe da vítima Claudia Maria Gregório de Oliveira.

 
 
Mãe de menina que morreu após ser espancada e estuprada pede justiça após um ano do crime

Mãe de menina que morreu após ser espancada e estuprada pede justiça após um ano do crime

No dia 4 de março do ano passado, Geovana pediu a mãe para ir brincar na casa de uma amiga e não voltou mais. Ela foi encontrada com graves ferimentos na cabeça em uma casa em construção no bairro Santo Expedito em Ibitinga.

A menina chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu no dia seguinte. Os laudos médico e da perícia confirmaram que ela foi abusada sexualmente.

“É complicado, dói demais, é um buraco que ninguém preenche. A gente tenta levar a vida porque tenho outra filha, mas é muito revoltante uma criança sair para brincar e em 10 minutos acontecer tudo isso. Cadê a lei? A gente vai sofrer até quando?”, conta a mãe inconformada.

Até o momento, a polícia conseguiu identificar um adolescente que confessou participação no crime. Ele foi apreendido e levado para a Fundação Casa. A polícia ainda apura o envolvimento de outras pessoas. O caso segue segredo de Justiça.

Enquanto aguarda por Justiça, Claudia busca nas lembranças um conforto. “Era uma guerreirinha, uma menina que ia me dar muita alegria. Era inteligente, é muito dolorido. Está faltando alguma coisa na vida da gente.”

Caso Geovana

Geovana Maria de Oliveira Ribeiro foi encontrada bastante machucada e com os shorts abaixado na tarde do dia 4 de março de 2018 em um dos cômodos de uma casa em construção.

Giovana, de 8 anos, foi encontrada em uma obra em Ibitinga — Foto: Reprodução/TV TEM

Giovana, de 8 anos, foi encontrada em uma obra em Ibitinga — Foto: Reprodução/TV TEM

O estupro foi confirmado pela Santa Casa de Ibitinga, para onde a menina foi levada primeiramente.

Por conta da gravidade do caso, Geovana foi encaminhada para a UTI de um hospital em Araraquara, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na manhã do dia seguinte.

Um adolescente confessou ter participado da morte da menina e no dia 22 de fevereiro foi encaminhado à Fundação Casa.

À época, um vizinho da vítima e pai de uma amiga com quem ela brincava antes do crime, teve a prisão temporária decretada. Foi ele quem encontrou a menina e avisou a mãe, dizendo que ela tinha sido atropelada.

Criança foi encontrada nos fundos de casa em construção em Ibitinga — Foto: Cesar Evaristo / TV TEM

Criança foi encontrada nos fundos de casa em construção em Ibitinga — Foto: Cesar Evaristo / TV TEM

Na época, a polícia afirmou que o homem, de 40 anos, apresentou versões contraditórias do fato. De acordo com as investigações, o suspeito disse para testemunhas que passava pelo local por acaso e viu a menina caída dentro da casa.

Para a polícia, ele disse que procurava a filha no imóvel. Além disso, o suspeito confirmou que usou apenas uma roupa durante todo o dia, que foi entregue aos policiais, mas foi comprovado que ele trocou de roupa após o almoço.

No entanto, após os resultados dos exames de DNA, a Justiça expediu o alvará de soltura do suspeito por falta de provas materiais. Foram solicitados exames para 15 suspeitos.

A Polícia Civil também foi à Justiça pedir a coleta de material biológico do prefeito interino afastado de Bariri, Paulo Henrique de Araújo, de 34 anos, preso na Penitenciária de Tremembé, no Vale do Paraíba, suspeito de estuprar uma menina de 8 anos em Bauru. O pedido ainda está sendo analisado pela Justiça.

- Por G1 Bauru e Marília -

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados