Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Médica suspeita de matar filho de 3 anos ficará presa por tempo indeterminado

Data: / 432 views
Médica suspeita de matar filho de 3 anos ficará presa por tempo indeterminado

Prisão em flagrante foi convertida em preventiva. Defesa pediu liberação dela; Ministério Público definiu episódio como 'tragédia'.

Prédio de Brasília onde mulher teria matado filho (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

A Justiça do Distrito Federal decidiu nesta quinta-feira (28) manter presa por tempo indeterminado a pediatra Juliana de Pina Araújo, detida em flagrante por suspeita de matar o próprio filho de 3 anos com overdose de medicamentos. A prisão preventiva dela foi determinada na audiência de custódia.

 

Segundo a juíza Lorena Alves Ocampos, a medida é necessária frente à gravidade do caso. A magistrada mencionou o depoimento de testemunhas e confirmou que existem indícios de que o crime foi cometido pela mãe.

“As circunstâncias, sobretudo o fato de ter matado seu próprio filho de 3 anos, bem como o modo como realizou a conduta (supostamente colocando remédio/veneno na mamadeira da criança), demonstra a necessidade da prisão. Tais circunstâncias confirmadas pelas testemunhas extrapolam enormemente a gravidade ínsita ao tipo de homicídio.”

 

A mulher foi defendida pela Defensoria Pública. Na audiência, foi pedido que ela responda em liberdade, sob o argumento de que ela sofre de depressão, está hospitalizada no Instituto Hospital de Base, sob escolta da polícia, e em “estado de choque” por conta do episódio.

Já o Ministério Público afirmou que, por mais que seja um episódio isolado, é certo que “não se pode ignorar a gravidade” porque “extrapola enormemente a gravidade normal do crime de homicídio o fato de uma mãe matar seu próprio filho, o que configura verdadeira tragédia”.

 
Médica do SAMU é suspeita de matar o filhoMédica do SAMU é suspeita de matar o filho 

 

Entenda

O caso aconteceu na noite de quarta-feira (28), na 210 Sul. A polícia disse que achou envelopes com remédios de uso controlado no lixo e, ao lado da criança – encontrada já morta sobre a cama –, havia uma mamadeira com leite.

Testemunhas relataram que a mãe fez um corte no pescoço e saiu correndo pelas escadas do prédio, sangrando.

Quando o porteiro viu a situação, segurou a moradora. A polícia foi chamada pelos vizinhos, depois de perceberem que a criança já não acordava mais.

O episódio aconteceu por volta das 18h30. O menino foi socorrido ao Hospital Materno-Infantil de Brasília (Hmib), mas os médicos não conseguiram reanimá-lo.

 
1ª DP, em Brasília (Foto: Reprodução/TV Globo)1ª DP, em Brasília (Foto: Reprodução/TV Globo) 

 

Investigação

Apenas o laudo do Instituto Médico Legal (IML) vai confirmar a hipótese de overdose, levantada pelos investigadores.

A mãe foi levada ao Hospital de Base, onde está internada, mas presa sob escolta policial. Ela deve responder por homicídio qualificado, com agravante por ter matado um menor de 14 anos.

Na 1ª DP (Asa Sul), o pai da criança prestou depoimento. Segundo ele, a mulher era uma mãe exemplar. O casal é separado há quase dois anos.

De acordo com a polícia, a mãe estava afastada do trabalho por causa do tratamento contra depressão.

O enterro de João Lucas está previsto para sexta-feira (29) às 16h, no cemitério da Asa Sul. O velório começa às 13h.
 
- Por Gabriel Luiz, G1 DF - 
- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados