Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Morre empresário ferido no tiroteio entre policiais de MG e SP

Data: / 202 views
Morre empresário ferido no tiroteio entre policiais de MG e SP

Hospital confirmou morte de Jerônimo da Silva Leal Júnior no fim da manhã desta quinta-feira (25). Ele estava internado sob escolta, depois de ser indiciado por homicídio.

Jerônimo da Silva Leal tinha 42 anos e era o dono da empresa de segurança contratada para acompanhar o grupo que saiu de São Paulo para uma negociação em Juiz de Fora — Foto: Polícia Civil/Divulgação

 

Morreu no fim da manhã desta quinta-feira (25) o empresário Jerônimo da Silva Leal Júnior de 42 anos. Dono de uma empresa de segurança, ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde sexta-feira (19), quando foi ferido no tiroteio entre policiais de MG e SP no estacionamento de um hospital em Juiz de Fora. Ele é a segunda vítima da ocorrência: o policial civil de Minas Gerais, Rodrigo Francisco, morreu no local no dia da ocorrência.

A assessoria do Hospital Monte Sinai confirmou a morte em decorrência dos ferimentos, mas não tinha informações dos procedimentos que serão adotados a partir do óbito. Jerônimo estava internado sob escolta, por ter sido indiciado pelo homicídio do policial.

 
Corregedoria da Polícia Civil de MG assume investigação de tiroteio entre policiaisCorregedoria da Polícia Civil de MG assume investigação de tiroteio entre policiais

 

Histórico do caso

No dia 19 de outubro, quatro policiais foram presos por lavagem de dinheiro e um idoso de 66, por estelionato , além de R$ 14 milhões - a maioria em notas falsas - apreendidos, juntamente com armas, cartuchos, carros e distintivos em Juiz de Fora.

De acordo com o apurado na investigação e a denúncia encaminhada pelo Ministério Público, Flávio de Souza Guimarães saiu de São Paulo para Juiz de Fora na sexta-feira com 12 pessoas - entre elas nove policiais civis e o empresário Jerônimo da Silva Leal Júnior.

Os outros dois acompanhantes foram um homem apontado como dono de empresas no exterior e um homem que ainda não foi identificado. Parte do grupo chegou à cidade de jato fretado. Já os policiais foram em dois veículos.

Segundo os relatos que constam no processo, se tratava de uma "escolta VIP" com o objetivo de trocar dólares por reais com o empresário mineiro Antônio Vilela, que também estaria sendo escoltado, mas por policiais civis mineiros.

As negociações começaram no lobby do hotel próximo ao hospital e terminou no estacionamento.

Segundo a investigação, os tiros começaram por causa de um "desacerto", quando foi detectado que a maior parte do dinheiro, equivalente a R$ 14 milhões, era falso. E ainda conforme a análise do juiz, relatos das testemunhas colocam em xeque a versão apresentada pelos policiais mineiros.

A Justiça também apontou que as malas com o dinheiro estavam em um veículo com placas de Belo Horizonte no estacionamento.

A suspeita inicial é a de que Jerônimo, que estava com a mala de dinheiro falso, atirou no policial, que revidou. A Justiça diz, porém, que só a perícia em todas as armas poderá esclarecer quem atirou, porque os depoimentos das testemunhas apontaram que foram feitos muitos disparos.

 

Prisões

Na ação em Juiz de Fora, quatro policiais civis de São Paulo foram presos, sendo dois delegados e dois investigadores. Eles vão responder por lavagem de dinheiro. Jerônimo Leal Júnior foi preso por homicídio e Vilela, por estelionato tentado.

Mais de R$ 14 milhões - a maioria em notas falsas - foram apreendidos, junto com armas, cartuchos, carros e distintivos.

Outros cinco policiais civis paulistas que também estavam em Juiz de Fora foram ouvidos e liberados.

Os agentes de Minas não foram presos, mas vão responder por prevaricação, que é quando o funcionário público deixa de praticar o seu dever.

- Por G1 Zona da Mata - 

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados