Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Mulher morre após médicos esquecerem gaze em seu abdome

Data: / 813 views
Mulher morre após médicos esquecerem gaze em seu abdome

Apesar de reclamar de dores, costureira foi diagnosticada com depressão pós-parto e dispensada do hospital

A costureira Eduarda Giovana Kachimarsky, de 22 anos, morreu na quarta-feira (1) após ter uma compressa de gaze esquecida dentro de sua barriga durante uma cirurgia de cesárea em Nova Odessa, cidade a duas horas de distância da capital. A tia da vítima, Patrícia dos Santos, informou que a família vai processar os médicos do Hospital e Maternidade Dr. Acílio Carreon Garcia responsáveis pela operação.

Três dias após o nascimento da filha, Eduarda foi internada com queixas de dores no abdome. “Ela já saiu do parto reclamando de dor. No domingo, voltou a ser internada porque estava com muitas dores na barriga e vomitando. Questionamos os médicos e eles disseram que ela provavelmente estava sofrendo de depressão pós-parto, e que não era nada de anormal”, disse Patrícia ao jornal Extra.

Sem melhoras no quadro clínico, Eduarda chegou a ser transferida para o Hospital Estadual de Sumaré, onde a compressa foi localizada e retirada de sua barriga. No entanto, o material já havia causado uma infecção generalizada, provocando a morte da costureira.

”Mesmo sabendo que ela não vai voltar, vamos processar os médicos que a atenderam e o hospital. Nós queremos justiça. Precisamos garantir que outras pessoas não passem por uma situação dessas. Já estamos atrás de um advogado para cuidar da questão”, desabafou Patrícia.

Segundo a Delegacia de Polícia da Nova Odessa, nenhum boletim de ocorrência sobre o caso foi registrado até o final da tarde desta sexta-feira (3).

Segundo o Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo), já foi instaurada uma sindicância para averiguação dos fatos. Em nota, o conselho diz que a processo leva, em média, de seis meses a dois anos para ser concluída e tramita em sigilo processual. O Hospital Municipal de Nova Odessa também está sendo investigado por outros quatro casos envolvendo erro médico ocorridos em 2016. (VEJA SP)

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados