Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Onze fatos sobre coceira que você talvez não saiba

Data: / 228 views
Onze fatos sobre coceira que você talvez não saiba

Quando se trata da ciência da coceira, apenas arranhamos a superfície desse mistério, mas essa área negligenciada da medicina está revelando coisas surpreendentes sobre o cérebro humano.

GETTY IMAGESImage caption - Estudos apontam que que experimentamos cerca de cem coceiras por dia

Conheça a seguir as descobertas e fatos curiosos sobre esse fenômeno intrigante.

1. Você se coça 97 vezes por dia

Estudos apontam que experimentamos cerca de cem coceiras por dia. Você provavelmente tem uma ou duas agora mesmo. Pode se coçar, ninguém está olhando.

2. Coceiras causadas por animais ou plantas são desencadeadas por toxinas

Toxinas incitam a liberação de histaminas, parte da resposta imune do seu corpo. Isso faz com que as fibras nervosas enviem sinais de coceira ao cérebro.

3. As coceiras têm sua própria rede nervosa

Até recentemente, pensávamos que a coceira e a dor compartilhavam as mesmas trilhas da nossa rede de nervos. Mas, em 1997, um estudo revelou que a coceira tem suas próprias fibras nervosas especializadas.

4. Mas os sinais de coceira viajam muito lentamente

Burro de coçando em uma árvoreDireito de imagem GETTY IMAGES Image caption - A coceira não é algo que exclsuivo de seres humanos

Todas as fibras nervosas têm velocidades diferentes. Os sinais de tato viajam a 320 km/h. A "dor rápida" (que ocorre se você tocar acidentalmente uma panela quente) avança a 128 km/h. Já os sinais de coceira se arrastam a 3,2 km/h, mais lentamente do que o ritmo de uma caminhada.

5. A coceira é contagiosa, assim como bocejar

Os cientistas provaram isso ao mostrar vídeos de camundongos se coçando para outros animais da mesma espécie. Logo este grupo começou a se coçar também.

6. O contágio da coceira envolve uma pequena parte do seu cérebro chamada núcleo supraquiasmático

Mas, até o momento, os neurocientistas não têm uma ideia exata de como essa área do cérebro está envolvida neste fenômeno.

7. Coçar é uma maneira do corpo lidar com invasores

Cachorro coçando a orelhaDireito de imagemGETTY IMAGES

O ato de coçar ajuda a afastar insetos ou plantas venenosas. Também faz com que seus vasos sanguíneos se expandam, permitindo a entrada de glóbulos brancos e plasma para limpar a toxina invasora. É por isso que sua pele fica vermelha e manchada.

8. Coçar dá prazer porque libera serotonina no cérebro

A serotonina é o neurotransmissor que os cientistas creditam por gerar sentimentos de bem-estar e felicidade. Quanto mais serotonina cruzar seu corpo, mais feliz você se sente. Não é difícil de entender, portanto, por que às vezes é difícil parar de se coçar.

9. O melhor lugar de coçar é o tornozelo...

Criança coçando o tornozeloDireito de imagemGETTY IMAGES Image caption - O ato de coçar é prazeroso

Isso foi apontado por um estudo publicado no periódico British Journal of Dermatology em 2012. Os resultados mostraram que a coceira é sentida com mais intensidade no tornozelo. Este também é o local em que o prazer de coçar é experimentado mais fortemente e onde persiste por mais tempo.

10. Quanto mais você se coça, mais vai se coçar

Cuidado com o ciclo da coceira! Coçar a pele libera histamina extra, enviando mais sinais de coceira ao cérebro. Se fizer isso muito, você vai machucar a pele, correndo o risco de ter uma infecção.

11. A coceira crônica é debilitante

Pesquisadores descobriram que pessoas que sofrem de coceira crônica sentem níveis de desconforto e depressão semelhantes aos de pacientes com doenças crônicas.

De acordo com um estudo publicado pelo periódico Archives of Dermatology, aqueles que sofrem de coceira por semanas, meses ou até mesmo anos sentiram-se tão debilitados quanto aqueles que sofrem de dor crônica.

E não apenas isso: uma coceira persistente não deve ser ignorada, porque isso é associado a muitas condições, como doença hepática e linfomas.

- BBC News Brasil - 

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados