Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Por que estamos dormindo tão mal?

Data: / 76 views
Por que estamos dormindo tão mal?

Segundo a OMS, a insônia já afeta 40% dos brasileiros. E cerca de 11 milhões dependem de remédios para pegar no sono

A médica Dalva, no Instituto do Sono da Unifesp: tratamentos ajudam no descanso (Crédito: Kandrade)

Dormir uma noite inteira e por pelo menos oito horas diárias tornou-se uma tarefa quase impossível para grande parte dos brasileiros. A rotina agitada, o acesso permanente aos celulares e redes sociais e o estresse diário são fatores que estão piorando a qualidade do sono e ocasionando cada vez mais insônia. O número é alarmante. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 40% da população sofre com o problema.

O distúrbio ocorre com mais frequência em mulheres e pode piorar após a menopausa. Além disso, as mudanças no comportamento da sociedade estão acontecendo cada vez mais cedo, não há rotina na hora de ir para a cama e trocar o dia pela noite está virando um hábito. “Há muitos estímulos. Contas a pagar, compromissos de trabalho. As pessoas ficam em alerta o tempo todo”, explica a médica Dalva Poyares, especialista em tratamentos de distúrbios do sono da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O problema é que, mesmo assim, muita gente protela a busca de ajuda. A demora é um dos principais fatores que favorecem o uso excessivo de remédios para pegar no sono. Mais de 11 milhões de brasileiros, o equivalente a 7,6% da população, usam medicamentos para dormir.

Foi o caso da coordenadora administrativa Keitch Gonçalves, 41 anos. Ela recorria a relaxantes musculares (um de seus efeitos colaterais é dar sono) para tentar ter algumas noites de descanso. No dia seguinte, os efeitos: dor de cabeça, irritação, cansaço. Durante uma semana, ela chegou a dormir apenas uma hora por noite. “Tinha medo de ir para cama. Olhava e ia ficando nervosa”, diz.

Há um mês, Keitch procurou o Instituto do Sono da Unifesp. Ela já voltou a dormir sete horas todas noites. Seu tratamento é baseado em terapia cognitivo-comportamental, na qual o indivíduo é estimulado a mudar comportamentos. No caso da insônia, o objetivo é eliminar rotinas como assistir TV ou ficar no celular antes de dormir e diminuir o uso de cafeína ao longo do dia, entre outras.

Em alguns casos, como o de Keitch, indica-se ainda o uso da melatonina (hormônio que regula o ciclo circadiano e que tem por finalidade sinalizar ao cérebro que é necessário diminuir a atividade física e mental). Nesse campo, a novidade é a autorização, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, da produção da ramelteona. A medicação estimula o sistema nervoso central a produzir mais melatonina. O remédio, já usado nos Estados Unidos e na Europa, tem ação rápida. “Ele é muito potente”, afirma a médica Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono. Espera-se que a droga esteja disponível até o fim do ano.

- ISTO É - Priscila Carvalho  - 

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados