Viva Marilia | Viva Marília é a simplicidade através de conteúdos que façam a diferença na vida daqueles que dedicam seu precioso tempo para nos ler.

Trump envia carta para professora, mas ela corrige a gramática e a envia de volta

Data: / 244 views
Trump envia carta para professora, mas ela corrige a gramática e a envia de volta

Yvonne Mason pegou uma caneta roxa, circulou os erros e deu sugestões de gramática e estilo; foto da carta viralizou no Facebook

Quando Yvonne Mason abriu a carta, ela leu do início ao fim. Leu porque, afinal, tinha o selo do presidente no topo da página e sua assinatura no pé. Mas na terceira vez que leu, algo começou a irritar a professora aposentada, que passou 17 anos de sua vida refinando os conhecimento de inglês de alunos do ensino fundamental e médio.

Olha para todas essas letras maiúsculas sem necessidade, ela pensou. "Federal" e "Nação" e "Estado" e "Estados" – palavras geralmente usadas em minúsculas como se elas fossem substantivos próprios. E muitas das frases começavam com a nona letra do alfabeto, o 'i' [em inglês, eu]. "Eu assinei a lei" e "eu também dirigi".

A carta, com seu nome nela, foi escrita em um papel oficial e pesado. Alguns veriam essa carta de um presidente como digna de ser emoldurada. Mas, para Mason, havia uma coceira que não poderia ficar sem ser cutucada.

Ela pegou uma caneta roxa e fez algo que ela havia feito incontáveis vezes com incontáveis papéis. Ela começou a circular. Começou com as irritantes letras maiúsculas. Mas, no fim, ela havia rabiscado diversos recados, riscado algumas pontuações, e perguntado a quem tivesse escrito a carta uma pergunta que pode ou não ter sido retórica: "Vocês já tentaram checar a gramática e estilo de escrita?".

Um rabisco no fim do papel foi destinado a uma sentença, mas pareceu resumir a opinião de Mason sobre a carta inteira: "Meu Deus, isso está ERRADO!".

"Se eu tivesse recebido isso de um de meus alunos, eu teria devolvido sem uma nota e diria: 'Eu espero que você tenha deixado a verdadeira em casa'", disse ela ao The Washington Post.

Ela enviou a carta, já cheia de tinta roxa, de volta à Casa Branca. Mas antes disso, ela tirou uma foto e postou em sua página do Facebook, esperando causar sorriso em seus amigos ou ex-alunos que estão na missão de proteger a língua inglesa.

Dias depois, uma amiga a convenceu de tornar o post público, e, no fim de maio, havia sido compartilhado mais de 4 mil vezes, a última evidência para críticos que acreditam que o presidente e sua administração fazem um jogo rápido e liberal com o inglês.

Como David Nakamura, do Washington Post, escreveu em março: "Os pequenos erros constantes – que perseguem a Casa Branca de Trump desde que o presidente tomou posse com um poster escrito 'no challenge is to great' [com erro no 'to'] – se tornaram, críticos dizem, símbolos dos problemas maiores do estilo de administração de Trump, em particular sua falta de atenção aos detalhes e a falta de preocupação quanto às suas decisões políticas".

É uma mensagem que Mason tentou inserir na cabeça de seus alunos da rede pública por cerca de duas décadas: como você fala, as palavras que você escolhe e a sua habilidade com a língua, tudo mostra algo sobre você, seja você um aluno do ensino médio ou um senador júnior.

Mason, de 61 anos, que ensinou retórica e composição em Greenville, na Carolina do Sul, e recentemente se mudou para Atlanta, escreve regularmente para os políticos eleitos nos quais votou e tornou a prática em aulas de argumentação – ensinamentos de civilidade e escrita juntos.

Ela frequentemente falava para seus alunos que eles não tinham a permissão de simplesmente jogar opiniões; seus argumentos deveriam ser baseados na lógica e em fatos. "Eles reescreviam até que o texto estivesse correto e que tivessem dado bons argumentos", ela disse.

Para guiá-los, às vezes ela mostrava cópias de cartas que ela havia escrito, criticando ou elogiando um voto ou defendendo uma política específica. Mas sua carta do dia 15 de fevereiro para Donald Trump era sobre salvar vidas.

Ela escreveu a carta um dia após 17 pessoas terem sido baleadas e mortas na escola Marjory Stoneman Douglas High School em Parkland, na Flórida. "Eu escrevi insistindo ao presidente para se encontrar com cada família de cada vítima individualmente", ela disse ao The Post. "E ouvir o que eles têm a dizer e assegurar-lhes que algo iria ser feito sobre o controle de armas neste país".

Mas ela sabia que havia muitas vozes falando sobre o assunto. "Eu não esperava ter um retorno. Depois de ter enviado, minha parte tinha acabado. Eu havia expressado minha opinião".

Trump envia carta para professora, mas ela corrige a gramática e a envia de voltaGot a letter from Mr. Trump. Will be returning it tomorrow. - 

5,9 mil
3,2 mil
4,3 mil

Como muitas das cartas que ela recebeu de políticos, ela acha que a carta de Trump foi escrita por alguém na Casa Branca treinado para imitar o estilo de escrita do presidente, assim como um escritor de discursos. Ela insista que, quem quer que tenha escrito a carta, não precisa de um novo emprego, mas sim de um novo estilo. Ela não recebeu nenhuma resposta da Casa Branca sobre suas sugestões de edição.

Mason disse que seu lema para os alunos era: "A língua é a moeda do poder". Ela explica que "se você não consegue comunicar o que você quer ou do que você precisa... você não vai ter o que você quer. Escrever claramente e consistentemente te dá poder". Mason comentou que a atenção que ela recebeu desde que sua carta viralizou lhe deu uma nova oportunidade de compartilhar sua mensagem. Ela desistiu de ensinar inglês depois que seu neto nasceu.

Ele agora tem quatro anos, e enquanto ela está tirando um tempo para ela, ele chegou à fase em que está começando a formar frases mais complexas. Sentenças perfeitas. Ele se machucou há alguns dias enquanto estava brincando com o cachorro, Mason contou. "Eu disse: 'Ah, acho que você precisa de um Band-Aid'. E ele disse: 'Eu preciso de um Band-Aid rapidamente. Com um 'mente'. Essa criança não tem nenhuma chance de ter uma gramática ruim".

 - ESTADÃO E Mais - CLEVE R. WOOTSON JR. - THE WASHINGTON POST*

Traduzido por Hyndara Freitas

- Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social.

Veja Também: Artigos Relacionados